Ocorreu um erro neste dispositivo

Pesquisar neste blogue

As horas que forem:

sexta-feira, 11 de outubro de 2013

MEMÓRIAS DE ANGOLA

gvs003

CONTO DA TININHA – Memórias de Angola-

O Sol era vermelho. O mar azul. O Sol continuava vermelho. O mar transformava-se em azul-esverdeado, em amarelo, em prata ensanguentada.A Terra, dessa só se descobriam as silhuetas das palmeiras e dos dongos com o focinho virado para o Mussulo. De que cor eram? Seriam negros com sombras acastanhadas, ou castanho com sombreado negro.

Divisava-se agora um disco alaranjado sobre um fundo azul-roxo. Sim estava ali o símbolo dos “Kamicazi”,o símbolo de guerra quente entre potências, o símbolo de trezentos mil mortos…

Na cidade continuava ou melhor recomeçava o som a que todos estavam habituados: rajadas de metalhadoras, rebentamentos de granadas, morteiros lá longe no Golfe, mais perto da Terra Nova…Sim! E aquele que rebentou na Avenida do Brasil?

- “ Mano, xhé …! A casa foi só no ar, os chapa de zinco foi só parar na rua, bocadinho só…”

- Olha! E ficou alguém morto?

- “Como pode saber? Eles tinha cão galinhas quibiri.Pior é que a gente não sabemos que eles estão na casa…muiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiita carne no chão.Pior é a gente não sabemos… O Juca – aquele branco - o avilo que andava só a rondar a Tinhinha – está mesmo maluco! Ponhou reclame na “emissora oficial” para acharem a Tininha”

Ao som da metralha os tempos foram passando. A Tininha não aparecia! Já não se podia ir à casa dela. Era “zona libertada” dominada pelos Sandokans…

O Juca rebuscava tudo.Escreveu para um parente dela no Lobito..Nada !!! Procurou nas agências de viagem..teria a Tininha ido pró Brasil ou para o Puto ??? Mas Também não… Que fazer? Ir à Senado da Câmara? A casa da Tininha… examinar tudo lá, a ver se encontrava alguma coisa dela… ela usava sempre a bracelete que ele lhe presenteara.É, mas se lha tivessem roubado ?Não fazia mal . ia arriscar. Montou na Yama! Bate o ponteiro do conta quilómetros os cem quando ele atravessa a Avenida dos Combatentes. Parou a mota…fechou-a! Entrou no musseque Marçal…Não fazia mal que levasse um tiro ou que fosse morto lentamente, queimado compontas de cigarro, que lhe arrancassem os testículos, que lhe cuspissem na cara que lhe obrigassem a comer fezes.Que importava… se tivesse encontrado a bracelete dela…estava morta !!!

Mas o Juca vê ao fundo três homens fardados de azul claro esverdeado, com boina preta…são Faplas! E pensou:

- E se a Tininha não estiver morta? E se eu for agora preso pelo Mpla?

Estava nesses pensamentos quando:

- “ Que queres daqui “pula” ?

- Quero ir á casa da Tininha

- “ E quem é a Tininha? É Bumba?

- Se não é… Já foi…está morta!

- “ Estás a gozar! Espera que eu vou pôr a tua pela ao sol!”

AIH…Eih! O Juca devia estar drogado! Quando o fapla lhe ia assentar uma coronhada, atirou-se de pés, como fazia no futebol, derrubando-o. Este caiu por cima do segundo e o terceiro fapla com a atrapalhação carregou no gatilho ou a sua Simonov de tambor redondo por cima começou a disparar com o movimento, atingindo o primeiro fapla. Juca aproveitou a altura para fugir em zigue zague. E conseguiu …Montou ma Yama! O ponteiro bate os cento e trinta quando ele atravessa a Avenida dos Combatentes. Isto foi o que ele contou a um primo que é meu amigo. Eu confesso que não acredito muito, mas pode ter sido verdade. Com regadela ou não a verdade é que o primo do meu amigo não pôde mais andar em sossego… Arranjou passagem de graça para Portugal, na ponte aérea, chegou lá no fim de setenta e cinco…Mas não encontrou mais a Tininha!

Podia acabar agora esta história dizendo que o Juca era mais um retornado em tratamento no “conde ferreira”(hospital dos alienados mentais) … Ou que está na prisão e aguarda julgamento por roubar um automóvel, ou coisa assim…Podia contar que ele se tinha dedicado ao Tráfico de “liamba” e que foi encontrado mais um retornado “no parque Eduardo VII, com liamba. E se vos informasse antes que o Juca levou uma facada na Rua Escura,ou agrediu alguém e foi morto com um tiro? Ou que se tivesse fechado num dos inúmeros sanitários público, e aí largasse a sua ponta e mola ao coração.Tudo isto era pintar de mais escuro o que já é preto escuro em si mesmo.

Para acabar escolho duas hipoteses. Uma é esta:

Ele encontrou a Tininha no Bairro Alto, quase a entrar no negócio da prostituição da “alta-roda”…Chamou por ela e contou-lhe tudo. E ela naquela sua voz meiga e agarrada ao pescoço contava-lhe que o pai tivera um negócio de diamantes que lhe calhou mal e ficar em Luanda era morte certa…Chegou cá e foi para o Irão.Sua mãe não podia trabalhar era doente e o pai lá do Irão não mandava dinheiro algum, não souberam mais dele…ela bem tentou arranjar um emprego como dactilógrafa. Mas quê? E emprego ? Por isso a vira ele agora ali. E a sessão acabava com mãos dadas e beijos apaixonados…

A outra hipótese é a verdadeira:

Ele não encontrou Tininha alguma e foi trabalhar para uma agro-pecuária de uns outros retornados e quando se lembra da Tininha bebe vinho tinto - do bom.Diz que é o “maluvo” E assim tenta esquecer “diluído nas suas bebedeiras”.

Renato Gomes Pereira – conto escrito em 29 de Janeiro de 1977

terça-feira, 8 de outubro de 2013

O C. D. C. A.

Auto bibliografia /retrospectiva até aos anos 80 do séc. XX.

Os anos dedicados ao associativismo

Nasci em 1959,numa casa caiada de branco, de portas azuis, coberta a chapas de zinco, sem água, sem luz, longe da cidade (Carmona-Uíge), no Norte de Angola, quase, quase no coração de Mamãe África… Aos sete anos estava em Luanda. A escola, as brincadeiras de rapaz, o jogo de futebol, no recreio, com uma pedra servindo de bola, as gaiolas de “bordão”, as fisgas, os “bicos-de lacre” , as “berridas”, que apanhávamos quando íamos às mangas; as pedradas ás múcuas dos imbondeiros e as mãos inchadas das reguadas da professora…A entrada no LICEU , os amigos, as lutinhas corpo-a-corpo, o gosto pela destruição, por provocar as policias, por querer ser o melhor, os hospitais e as cicatrizes deixadas pelas travessuras,,, Tudo isso e muito mais constituíram os primeiros dezasseis anos de um menino, de um rapaz, os quais , apesar de terem sido anos agitadíssimos,foram anos necessários para cimentar toda a minha forma de ser , todo o meu comportamento, todo o Amor pela Natureza, pelo Belo, a visão mais ou menos coerente do Mundo que me rodeia.

Em 1975, chego a Portugal. A primeira sensação que tive ao sair do avião foi de frio e de leveza…a terra que pisava parecia irreal !!! Estávamos em pleno Verão… Os tiroteios de fim-de-semana,o rebentamento de bombas, a agressão ideológica,todo o clima de guerra que se vivia nos últimos tempos, (em Luanda e em toda a Angola), tinha-nos tornado insensíveis, manobráveis e quebradiços. Ainda hoje nem todos se libertaram totalmente desse efeito hipnótico. Mas o mais duro e mais terrível estava para acontecer…Quem e com que intenção queria a marginalização de toda essa gente? Porquê a divisão e a rotulação das populações em “retornados” e “não retornados”? Que humanismo, que liberdade proclamavam os órgãos informativos dessa altura? Por que batuta eram regidos?

Em Fevereiro de 1976 vieram ter comigo, convidando-me para fazer parte de um grupo de jovens interessados na criação de um grupo desportivo, que promoveria bailes e diversões além do desporto. Aceitei … Era a minha “ válvula de escape”! Era também uma maneira de conhecer melhor as pessoas, os habitantes deste país de acolhimento…

Saber talvez porquê tanta agressividade em relação a nós…Aos primeiros contactos, nas primeiras reuniões, a malta pareceu-me toda fixe.. E era-o realmente! Por isso se conseguiu criar o CENTRO DESPORTIVO E CULTURAL DE ARGIVAI, o C.D.C.A..

As realidades sócio-económicas não eram e continuam a não ser as melhores na freguesia de Argivai (Póvoa de Varzim – Porto-Norte de Portugal). Apesar dos aumentos salarias, a pavimentação das ruas e a sua iluminação- ainda deficiente- pouco mais foi desenvolvido. Em primeiro lugar a freguesia de Argivai é pequena e pobre. A população apesar de generosa e entusiástica arrasta consigo uma passividade extrema.Existem, na realidade, pessoas com muita iniciativa, mas cedo quebram, pois a atitude comodista de grande parte dos habitantes não permitem bons frutos.

Apesar de todas estas contrariedades o C.D.C.A. vingou e cresceu bastante nestes últimos cinco anos, poderia ter crescido muito mais, não fora a existência de “ervas daninhas” que sempre aparecem depois de lançadas as sementes à terra. Assim aconteceu com algumas pessoas, que não tendo a noção da Unidade de Todos ou, não querendo mesmo a Unidade de Todos, criaram novos agrupamentos, tentando semear a divisão. Se a razão que levou essas pessoas a esse comportamento foi o de discordarem com a orientação dada ao CDCA pelas sucessivas direções, a solução era fácil: convocar uma assembleia geral de sócios, a população de toda a freguesia, a Junta de Freguesia ( O órgão administrativo local na altura) e exporem o assunto com isenção e verdade, permitindo a defesa da outra ou outras partes, dentro do espírito democrático e responsável que deve ser exigido a cada habitante do planeta Terra. Mas tal não aconteceu.

Tentaram antes sabotar uma obra gigante erigida por jovens de 17, 16, 15 e menos anos, a quem chamaram depreciativamente de “rapazes”.

Mas os RAPAZES fizeram ver aos CRESCIDOTES… Conseguiram arrancar a população da sua letargia.

No que me diz respeito, a existência de um grupo como o C.D.C.A., além de me ter permitido desenvolver física e intelectualmente, além de desenvolver o meu sentido altruísta, a minha capacidade organizativa, além de me ter oferecido vários e vastos conhecimentos práticos sobre comportamento de grupo, além de me ter desenvolvido os conhecimentos de publicidade/propaganda e desenho, até, vejam só, a rascunhar páginas e páginas em máquinas de escrever, além de tudo isso funcionou como que um degrau, um trampolim que me permitiu uma pouco tumultuosa integração numa sociedade na qual talvez eu nunca me venha a adaptar perfeitamente…mas pelo menos devo a toda a malta, a toda uma população, a quase que suave e progressiva reconstrução de amizades… Não foram Grandes Amizades! Grandes, tive-as e perdi-as quando as forças das circunstâncias nos obrigaram a dispersar-nos pelos quatro cantos do mundo desde o Brasil ao Canadá…De qualquer forma não me sinto triste com todas essas novas amizades que travei…Poderei dizer até que não tenho inimigos? Quase que sou tentado a vos responder afirmativamente…

Valeu apena terem-se perdido noites, nas reuniões de direção,valeu apena todo o esforço despendido pela malta nova. A certeza de um bom alicerçamento de todo o espírito associativo, pelo menos basta-nos essa certeza e constatar a realidade desportiva na freguesia e no concelho, para se poder afirmar, bem alto e orgulhosamente que valeu a pena ! tudo isso foi obra de recalcamentos e sublimação ? Não só mas também! Creio que nunca se criou nada do tipo que foi criado, com os condicionalismos já apresentados, sem que os seus mentores tivessem a consciência de que após uma queda é necessário escovar a roupa e caminhar em frente,como sempre, de cabeça erguida…Foi necessário uma boa dose de fleuma,meus senhores !!!

Argivai, 1 de Setembro de 1980.

Renato Gomes Pereira